domingo, 23 de março de 2014

O dia em que conheci José Trajano



                                                 Conversando com Mestre Trajano



                                  Lúcio de Castro, grande jornalista da ESPN, que vem denunciando o esquema   sujo na Confederação Brasileira de Vôlei
                                         



                                    Hoje, os três estão no Fox Sports, mas já foram ESPN Brasil: Guga Villani, Edu Elias e Rodrigo Bueno, que assim como eu, torce pela Holanda.



Minha amiga Patricia Pupe, o filósofo Xico Sá, este blogueiro e Rodrigo Bueno.



                                                          Mestre Fernando Calazans.


                                                 Era para ser o contrário...Valeu, Trajano!!!



Batendo papo com a equipe da ESPN Brasil



                        Eis meu melhor amigo: Marcelo Potência. Sem ele, não seria a mesma coisa....



Há uns quinze anos acompanho a programação da ESPN Brasil. Mas já conhecia José Trajano do "Cartão Verde", mesa redonda da TV Cultura. Sempre gostei do jeitão sincero e rabugento dele. E com o passar dos anos, isso se transformou em admiração confessa. 
Há cinco anos, uma equipe da ESPN esteve em Campos. Consegui realizar um sonho que era fazer parte deste time, por dois dias. Já contei isso aqui.
Também escrevi há pouco tempo que estava decepcionado com os novos rumos que o canal tomou depois da saída de Trajano do comando. Não mudei de opinião.
Mas ainda me identifico como um ESPN maníaco. E foi assim ontem. No dia em que conheci Trajano.
Saí de Campos às cinco da matina. De segunda à sexta, saio às 5:30 rumo a Macaé. Ontem, acordei mais cedo ainda, passeei com Chico, nosso cão, e junto de minha companheira Renata, fomos para a Rodoviária. Estava difícil dormir. Esperei por este dia por mais de dez anos. Mas ele chegou.
Para minha alegria, meu melhor amigo, Marcelo Potência e sua esposa Gizelle também estavam no Rio. Ficamos no mesmo hotel, o Fluminense, na Lapa. E, não. Não farei nenhuma piada sobre o nome do hotel.
O plano inicial era me encontrar com meu irmão Bruno, mas o danado tinha ensaio o dia todo.
Então, depois de chegar ao hotel, tomar um belo banho e descansar um pouco, partimos para o sonhado destino.
O cenário: a Livraria Folha Seca, no centro do Rio. Acho que em nenhum roteiro de cinema, poderia haver uma escolha melhor. Chegamos com meia hora de antecedência e paramos em um barzinho quase ao lado. Uma cerveja para relaxar. Duas cervejas para relaxar. E eis que de repente, Potência fala: 
" Olhe o Trajano chegando!"
Putz... Não sei dizer o senti. Alegria, emoção, nervosismo... Mas, enfim, percebi que não estava sonhando.
No mesmo instante, falei com o pessoal:
"Vamos para a livraria."
Eu fui e os deixei para trás. Mas não conseguia chegar perto de Trajano. Até porque ele tinha acabado de chegar e estava envolvido com os preparativos do lançamento de seu livro "Procurando Mônica-O maior caso de amor de Rio das Flores.", que foi o motivo para este encontro. Bendito livro! Bendita Mônica!
Vendo que eu estava ansioso, mas inerte, meu melhor amigo, o citado Potência, grande filho da puta (no melhor sentido da palavra..), chegou perto de Trajano e falou:
"Trajano, esse aqui é o Gervásio Neto...veio de Campos para te conhecer."
Eis que o Mestre responde:
"Isso é um maluco!!" E me deu um abraço.
Sim, o momento chegara. E o receio de Renata, minha esposa, de que Trajano não me reconhecesse, depois de tantos e-mails, mensagens e kits que ganhei do canal ao longo destes quinze anos, não se confirmou. Mais do que isso. Ele ainda sabe que sou maluco.
Depois disso, foi uma festa! De amigos, de malucos, que assim como eu, saíram de suas cidades para conhecer aquele senhor, dito por muitos como rabugento e mau humorado, mas que ontem conseguiu reunir velhos e novos companheiros de diferentes jornadas, ex-jornalistas da ESPN que nem precisavam estar ali, mas que por admiração, gratidão ou respeito fizeram questão de abraçá-lo e gente muito simples, que se identifica com o personagem principal deste texto. Ainda chega minha amigona Patricia. Tudo perfeito!
Consegui um autógrafo em um camisa da ESPN, conversei com Trajano sobre o fim do Pontapé Inicial (e pude constatar que ele também sente falta), conversei com a equipe maravilhosa do meu canal predileto (clique aqui e veja a matéria) e conheci outros caras que admiro como Fernando Calazans, Lúcio de Castro, Rodrigo Bueno, Xico Sá, entre outros.... 
E quase no fim, quando comprei outro livro para presentear meu irmão Bruno, esperava Trajano fazer a dedicatória, quando ouvi a voz de Potência. De novo, aprontando:
" Trajano, ele disse que quando te conhecesse, ia te dar um beijo na careca."
Caraca! Sempre falei isso mesmo. Mas era de sacanagem. 
Eis que Trajano responde:
"Não. Eu que farei isso". E me deu um beijo na testa. Ou na careca.
Uma demonstração de carinho e respeito. De um cara que mostrou que é o que sempre pensei dele. Boa praça, bom papo, risonho, contador de estórias...
A minha eu termino aqui.
E com um final para lá de feliz.