sábado, 27 de março de 2010

Fim de semana Renato Russo....

Fim de semana Renato Russo

Fim de semana Renato Russo

Em homenagem ao meu irmão Léo Peixoto. Toda vez que escuto essa canção é dele que lembro.

Dá-lhe Renato!!



sexta-feira, 26 de março de 2010

Liberdade- Ana Jácomo


'Liberdade é como saborear um passeio de bicicleta
sem precisar apostar corrida com ninguém.
Não temos que ter essa ou aquela velocidade.
Apenas pedalar.
No nosso ritmo.'

Fim de semana Legião

Em homenagem ao grande Renato Russo que amanhã completaria 50 anos, o "Todo Amor.." abre espaço para sua arte e genialidade, agradecendo de verdade os vários e vários momentos inesquecíveis que me proporcionou.
Começo com este vídeo de "Andrea Doria", obra prima de Renato e a minha música predileta.

sábado, 20 de março de 2010

Nando Reis

terça-feira, 16 de março de 2010

De coração para coração - Letícia Thompson


O que separa corações não é a distância, é a indiferença.
Há pessoas juntas estando separadas por milhares de quilômetros
e outras separadas vivendo lado-a-lado.
Muitas vezes nos importamos com o que acontece no mundo,
nos sensibilizamos e pensamos até em fazer alguma coisa,
mas nos esquecemos do que se passa ao nosso lado,
na nossa casa, na nossa família e mesmo na vizinhança.
Colocamos, sem querer, barreiras entre os corações que nos cercam.
A indiferença mata lentamente, anula qualquer sentimento;
e assim criamos distâncias quando estamos tão próximos.
As pessoas se habituam tanto àquelas que convivem com elas
que elas passam a não notá-las mais, a não dar mais importância.
Mas, se quisermos transformar o mundo,
comecemos por transformar a nós mesmos.
Se quisermos entrar em combates para melhorar algo para o futuro,
que esse combate comece dentro da nossa própria casa.
Precisamos olhar os que estão ao nosso lado sempre com olhos novos.
Comunicar mais, destruir mais barreiras e construir mais pontes.
Precisamos nos dar de coração a coração.
A melhor maneira de acabar com a indiferença de uma pessoa em relação a nós é amá-la.
O amor transforma tudo.
Não permita que pessoas ao seu lado morram de solidão!
Não permita que elas sintam-se melhor fora de casa que dentro dela!
Dê atenção, dê do seu próprio tempo!
Comunique-se!
Assista menos televisão e converse mais.
Riam juntos.
Há quanto tempo você não diz para a pessoa que vive ao seu lado que gosta dela?
A gente não recupera tempo perdido.
Mas podemos decidir não perder mais.
Vamos amar os corações que nos cercam
e tentar alcançar novamente aqueles que se distanciaram.
Há sempre tempo para se amar.
E se não houvesse, o próprio amor seria capaz de inventar.

segunda-feira, 15 de março de 2010

Palavras...


A palavra é uma roupa que a gente veste.
Uns gostam de palavras curtas.
Outros usam roupa em excesso.
Existem os que jogam palavra fora.
Pior são os que usam em desalinho.
Alguns usam palavras raras.
Poucos ostentam caras.
Tem quem nunca troca.
Tem quem usa a dos outros.
A maioria não sabe o que veste.
Alguns sabem e fingem que não.
E tem quem nunca usa a roupa certa pra ocasião.
Tem os que se ajeitam bem com poucas peças.
Outros se enrolam em um vocabulário de muitas.
Tem gente que estraga tudo que usa.
E você... com quais palavras você se despe?

Viviane Mosé in “ Toda palavra”

domingo, 14 de março de 2010

Para minha sobrinha-filha...


Tenho uma sobrinha-filha que fez 15 anos em janeiro. Seu nome é Estela e sou completamente apaixonado por ela. Dias desses estava vendo fotos dela que a mãe colocou no orkut. Virou uma moça!! Linda, linda, linda!!! É meu amor verdadeiro!! Em sua homenagem posto esta poesia de Vinícius e Toquinho:

"Menininha do meu coração
Eu só quero você
A três palmos do chão

Menininha não cresça mais não
Fique pequenininha na minha canção
Senhorinha levada
Batendo palminha
Fingindo assustada
Do bicho-papão

Menininha, que graça é você
Uma coisinha assim
Começando a viver
Fique assim, meu amor
Sem crescer
Porque o mundo é ruim, é ruim e você
Vai sofrer de repente
Uma desilusão
Porque a vida é somente
Teu bicho-papão
Fique assim, fique assim
Sempre assim
E se lembre de mim
Pelas coisas que eu dei
Também não se esqueça de mim
Quando você souber enfim
De tudo o que eu amei. "
* na foto acima, Estela com pouco mais de um ano com seu irmão e meu querido sobrinho Yan.



sábado, 13 de março de 2010

Amor antigo- Drummond


O amor antigo vive de si mesmo,
Não de cultivo alheio ou de presença.
Nada exige, nem pede. Nada espera,
Mas do destino vão nega a sentença.
O amor antigo tem raízes fundas,
Feitas de sofrimento e de beleza.
Por aquelas mergulha no infinito,
E por estas suplanta a natureza.
Se em toda parte o tempo desmorona
Aquilo que foi grande e deslumbrante,
E a cada dia surge mais amante.
Mais ardente, mas pobre de esperanças
Mais triste? Não. Ele venceu a dor,
E resplandece no seu canto obscuro,
Tanto mais velho quanto mais amor.

Doce medo- Lya Luft


Tenho medo da dor de tua ausência
que me queima por dentro.
E da ternura eu tenho medo,
dessa beleza das noites secretas
quando chegas sempre como se fosse a única vez.
Tenho medo de que um dia queiras cessar esse rio de águas ardentes
onde mais do que os corpos
tocam-se as almas,
anjos desatinados luzindo no breu.

Na paz- Orlando Morais

O tempo - William Shakespeare


O tempo é muito lento para os que esperam
Muito rápido para os que tem medo
Muito longo para os que lamentam
Muito curto para os que festejam
Mas, para os que amam, o tempo é eterno.

Mudanças- Ana Jácomo


Quando nos dedicamos, com o coração, à busca do autoconhecimento, é inevitável que chegue um instante em que algumas mentiras que contávamos para nós mesmos passem a não funcionar mais.
Os disfarces até então utilizados para fortalecer o nosso autoengano já não nos servem.
Inábeis com a paisagem aos poucos revelada, às vezes ainda tentamos nos apegar a alguma coisa que possa encobrir a nossa lucidez, embaraçados que costumamos ser com as novidades,
por mais libertadoras que sejam.
É em vão.
Impossível devolver a linha ao novelo depois que a consciência já teceu novos caminhos.
Existem portas que se desmancham após serem atravessadas, como sonhos que se dissolvem ao acordarmos.
Não há como retornar ao lugar onde a nossa vida dormia antes de cruzá-las.
Da estreiteza à expansão.
Da semente à flor.
Do casulo às asas, ensinam as borboletas.

sábado, 6 de março de 2010

MPB da melhor qualidade no fim de semana

Que maravilha este flagrante de um ensaio que aconteceu em 1991 na casa de Tom Jobim. Com ele, Mestre Dorival Caymmi, seu filho Danylo e outros músicos da banda de Tom.

Bom demais!!!!

sexta-feira, 5 de março de 2010

Insista - Fabrício Carpinejar


Sempre insista. Fale mais do que seja possível pensar. Insista.
Temos que ter a capacidade de superar as resistências.
Toda primeira conversa enfrentará uma série de inconvenientes. Mas insista.
Não recue com a gafe, com o estardalhaço, com a vergonha. Siga adiante.
Comece a rir sozinha. Rir é receber a pergunta: o que você está rindo? Rir é ser perguntado.
Não há motivo para rir, rir é se abraçar. Minha risada é meu gemido público.
Acordar me deixa excitado.
Talvez aquela amiga não queira namorá-lo para não estragar a amizade.
Portanto, diga: quero hoje estragar nossa amizade. Estragar de jeito.
Arruinar nossa amizade. Corromper nossa amizade.
Estrague fundo, o amor pode estar recolhido nela.
Mas não aceite tão rápido o que ela não acredita. É disfarce, vivemos disfarçados de normalzinho, de ponderado, de retraído, porque a verdade quando surge faz atitudes impensadas,
como comer algodão-doce nesta terça-feira diante de uma escola de normalistas.
Que saudades de acenar para uma freira dirigindo um fusca.
Deus é uma freira dirigindo um fusca. Tenho saudades de me exibir cortando laranjas.
As tiras simétricas, os cabelos loiros da laranjeira.
Tenho saudade de passear com a minha laranjeira.
Não se explique, insista.
Eu não vou ficar esperando alguém me salvar. Eu mesmo me salvo.
Eu mesmo me arrumo para a loucura.
Insista. O apaixonado cria sua boca. Cria sua boca para cada boca.
Caso tenha prometido ir atrás dele, vá.
Telefone, ainda que atrasada dois anos da promessa.
Volte atrás, não queria pensar com os olhos, a boca são olhos mais atentos.
Não se intimide ao encontrar seu homem no momento errado. É sempre o momento errado.
Seja o momento errado da vida dele. Mas seja parte da vida dele.
Seja o erro mais contundente da vida dele. Seja a vida do seu erro, para ele errar mais seguido.
Talvez aquele amigo não converse para manter a aparência de misterioso.
Talvez ele nem saiba conversar, seja incompetente. Insista.
Uma hora ele vai tomar um porre do seu silêncio, sentar no meio-fio e falar aramaico.
Todo homem guardado uma hora fala aramaico.
Insista, esteja perto para o sermão dos pássaros no viaduto.
A vida mete medo quando ela não é formalidade,
não temos como nos defender do que parte dos dentes.
Tenha um medo assombroso da vida, que é mais justo,
deixe a morte com ciúme e inveja, deixe a morte sem dançar.
Não fique articulando frases inteligentes, comoventes, certas. Insista.
Sei o valor de uma fantasia, mas insista.
Tropeçar ainda é andar, pedir desculpa ainda é avançar, concentre-se na dispersão.
Ninguém quer falar com ninguém. Mas insista.
Na sala do dentista, no trem, no ônibus, no elevador. Insista.
O que mais precisamos é estranheza para reencontrar a intimidade.
Não há nada íntimo que não tenha sido estranho um dia.
Seja estranho com o ascensorista, com o porteiro do prédio, com a colega.
Declare-se apaixonado antecipadamente. Depois encontre um jeito de pagar.
Ame por empréstimo.
Ame devendo.
Ame falindo.
Mas não crie arrependimentos por aquilo que não foi feito.
Sejamos mais reais em nossas dores.
Tudo o que não aconteceu é perfeito.
Dê chance para a imperfeição. Insista.
Estou cansado de me defender - sou só ataque.
Insisto.

Dizer "sim", dizer "não" - Lya Luft


A história mais difícil de escrever é a nossa própria, complexa, obscura, inocente ou perversa – bem mais do que são as narrativas ficcionais.

Brinquei muito tempo com a idéia de dizer “sim” ou “não” a nós mesmos, aos outros,
à vida, aos deuses, como parte essencial dessa escrita de nosso destino
– com os naturais intervalos de fatalidades que não se podem evitar,
mas têm de ser enfrentadas.
Acredito em pegar o touro pelos chifres, mas vezes demais fiquei simplesmente deitada e ele me pisoteou com gosto. Afinal, a gente é apenas humano.
Nessa difícil história nossa, dizer “sim” ao negativo, ao sombrio,
em lugar de dizer “sim” ao bom, ao positivo, é o desafio maior.
Pois a questão é saber a hora de pronunciar uma ou outra palavra, de assumir uma ou outra postura. O risco de errar pode significar inferno ou paraíso.
Também descobri (ou inventei?) isso de existir um ponto cego da perspectiva humana,
em que não se enxerga o outro mas apenas um lado dele:
seu olho vazado, sua boca cerrada, seu coração amargo. Sua alma árida, ah…
O ponto cego das nossas escolhas vitais é aquele onde a gente pode sempre dizer “sim” ou “não”, e nossa ambivalência não nos permite enxergar direito o que seria melhor na hora:
depressa, agora. O ponto mais cego é onde a gente não sabe quem disse “não” primeiro.
E todos, ou os dois, deviam naquele momento ter dito “sim”.
Viver é cada dia se repensar:
feliz, infeliz, vitorioso, derrotado, audacioso ou com tanta pena de si mesmo.
Não é preciso inventar algo novo.
Inventar o real, o que já existe, é conquistá-lo: é o dom dos que não acreditam só no comprovado, nem se conformam com o rasteiro.
Nosso drama é que às vezes a gente joga fora o certo e recolhe o errado.
Da acomodação brotam fantasmas que tomam a si as decisões:
quando ficamos cegos não percebemos isso,
e deixamos que a oportunidade escape porque tivemos medo de dizer o difícil “sim”.
O “não” é também um ponto cego por onde a gente escorre para o escuro da resignação.
O ponto mais cego de todos é onde a gente nunca mais poderá dizer “sim” para si mesmo.
E aí tudo se apaga. Mas com o “sim” as luzes se acendem e tudo faz sentido.
Dizer “sim” a si mesmo pode ser mais difícil do que dizer “não” a uma pessoa amada:
é sair da acomodação, pegar qualquer espada – que pode ser uma palavra, um gesto,
ou uma transformação radical, que custe lágrimas e talvez sangue – e sair à luta.
Dizer “sim” para o que o destino nos oferece significa acreditar que a gente merece algo parecido com crescer, iluminar-se, expandir-se, renovar-se, encontrar-se, e ser feliz.
Isto é: vencer a culpa, sair da sombra e expor-se a todos os riscos implicados,
para finalmente assumir a vida.
Fazer suas escolhas, assinar embaixo, pagar os preços…e não se lamentar demais.
Porque programamos o próprio destino a cada vez que,
num tímido murmúrio ou num grande grito, a gente diz para si mesmo: “Sim!”

quarta-feira, 3 de março de 2010

Tentando....

Cá estou novamente tentando recomeçar....
O tempo anda curto demais e este espaço que gosto tanto fica esquecido dias e dias....Não é justo com ele. Já pensei em parar, mas alguns raros pedidos de amigos que me fazem teimar em continuar com o "Todo Amor..."
Que bom que existem estes amigos!! Aliás, o que seria de nós sem eles?? Eu, por exemplo, há anos sou criticado por boa parte dos meus. Chamam-me de anti-social, velho, ranzinza, chato....No fundo acho que sou um pouco desses belos adjetivos mesmo. Acontece que aos 38 anos, você começa - pelo menos tenta- priorizar outras coisas na sua vida, que não sejam cerveja, rock and roll e papos repetitivos. Não que eu não goste dos três itens citados, mas há momentos que o aconchego de sua casa, uma música mais calma, um copo d'água estupidamente gelado fazem um bem infinitamente maior à alma. Não sei se estou ficando velho....E sinceramente acho que isso nem é de tudo ruim. Vejo a minha mãe, por exemplo, a pessoa que mais amo e admiro neste mundo, tendo uma qualidade de vida bem melhor hoje em dia do que quando era mais jovem. E isso com todas as dores e perdas que sofreu. Lamento todos os dias e noites não ter a mesma gana e força de vontade que ela. Quantos exemplos temos em nossas famílias ou em círculos de amizade de pessoas que mudaram o ritmo de suas vidas e só saíram ganhando?
É isso que estou buscando, ainda sem sucesso. Mudar meu ritmo e meu pensamento sobre a vida. Tenho uma amiga, a Karina, que por sinal está sempre por aqui, que vem me dando uma lição sobre isso. Enfrentou críticas de muita gente, mas vem mudando sua maneira de pensar. Tenho um primo-irmão que enfrentou sérias dificuldades em relação às drogas e hoje vive bem com sua esposa e continua a viver a vida de uma maneira muito especial.
Nem sei direito o que quero dizer com isso tudo. Mas, assim como eu, acho que muitos estão na tentativa de mudar e não conseguem.
Vamos tentar juntos??