quarta-feira, 28 de março de 2012

Millôr

Tristes somos nós que ficaremos sem a sabedoria, o humor, a críticas e a presença de um gênio como Millôr Fernandes. Fazendo uma busca pela internet, garimpei algumas de suas frases no blog do jornalista Ricardo Noblat:



"* “Fiquem tranquilos os poderosos que têm medo de nós: nenhum humorista atira pra matar.”


* “O cadáver é que é o produto final. Nós somos apenas a matéria prima.”

* “O homem é o único animal que ri. E é rindo que ele mostra o animal que é.”

* “Imprensa é oposição. O resto é armazém de secos e molhados.”

* “Como são admiráveis as pessoas que não conhecemos muito bem.”

* “O otimista não sabe o que o espera.”

* “Eu também não sou um homem livre. Mas muito poucos estiveram tão perto.”

* “Nunca ninguém perdeu dinheiro apostando na desonestidade.”

* “Brasil, condenado à esperança.”

* “Brasil; um filme pornô com trilha de Bossa Nova.”

* “Todo homem nasce original e morre plágio.”

* “O dedo do destino não deixa impressão digital.”

* “Sabemos que VOCÊ, aí de cima, não tem mais como evitar o nascimento e a morte. Mas não pode, pelo menos, melhorar um pouco o intervalo?”

* "Repito um velho conselho, cada vez mais válido, sobretudo pro Congresso: Quando alguém gritar “- Pega ladrão”, finge que não é com você"

* " Quando os eruditos descobriram a língua, ela já estava completamente pronta pelo povo. Os eruditos tiveram apenas que proibir o povo de falar errado".

* "A infância não, a infância dura pouco. A juventude não, a juventude é passageira. A velhice sim. Quando um cara fica velho é pro resto da vida. E cada dia fica mais velho."

* "Não devemos odiar com fins lucrativos. O ódio perde a sua pureza".

* "Um Homem só é completo quando tem família; mulher e filhos. Desculpe: completo ou acabado?"

* "Deus é realmente um ser superior. Não há nada nem parecido no Governo Federal".


Muito obrigado, Millôr!!

sábado, 24 de março de 2012

Vocabulário da Vida - Luiz Gongaza Pinheiro

 

 

Adeus:
É quando o coração que parte deixa a metade com quem fica.

Amigo:
É alguém que fica para ajudar quando todo mundo se afasta.

Amor ao próximo:
É quando o estranho passa a ser o amigo que ainda não abraçamos.

Caridade:
É quando a gente está com fome, só tem uma bolacha e reparte.

Ciúme:
É quando o coração fica apertado porque não confia em si mesmo.

Lágrima:
É quando o coração pede aos olhos que falem por ele.

Mágoa:
É um espinho que a gente coloca no coração e se esquece de retirar

Netos:
É quando Deus tem pena dos avós e manda anjos para alegrá-los.

Orgulho:
É quando a gente é uma formiga e quer convencer os outros de que é um elefante.

Perdão:
É uma alegria que a gente dá e que pensava que jamais a teria.

Pessimismo:
É quando a gente perde a capacidade de ver em cores.

Paz:
É o prêmio de quem cumpre honestamente o dever.

Raiva:
É quando colocamos uma muralha no caminho da paz.
Simplicidade:
É o comportamento de quem começa a ser sábio.

Saudade:
É estando longe, sentir vontade de voar; e estando perto, querer parar o tempo.

Sexo:
É quando a gente ama tanto que tem vontade de morar dentro do outro.

Solidão:
É quando estamos cercados por pessoas, mas o coração não vê ninguém por perto.

Ternura:
É quando alguém nos olha e os olhos brilham como duas estrelas.

Sinceridade:
É quando nos expressamos como se o outro estivesse do outro lado do espelho.


trecho do livro “O Homem que Veio da Sombra”

sexta-feira, 23 de março de 2012

Lá na frente-Cáh Morandi


"queria que você soubesse
que não importa, não importa mesmo,
se amanhã ou depois for menos intenso,
for um pouco mais cansativo,
não pense hoje nas coisas de amanhã
mas se pensar,
pense em me ver como uma resposta
num grito de socorro,
pense em me ver como uma passagem
num pedido de sumiço,
pense em me ver como um abraço
num salto para o abismo,
pense em me ver na tua frente,
me aceite agora,
me leve para fazer tua história."

A vida - José Saramago



 Na ilha por vezes habitada do que somos,
há noites, manhãs e madrugadas em que não precisamos de morrer.
Então sabemos tudo do que foi e será.
O mundo aparece explicado definitivamente e entra em nós uma grande serenidade,
e dizem-se as palavras que a significam.
Levantamos um punhado de terra e apertamo-la nas mãos. Com doçura.
Aí se contém toda a verdade suportável: o contorno, vontade e os limites.
Podemos então dizer que somos livres,
com a paz e o sorriso de quem se reconhece e viajou à roda do mundo infatigável,
porque mordeu a alma até aos ossos dela.
Libertemos devagar a terra onde acontecem milagres como a água, a pedra e a raiz.
Cada um de nós é por enquanto a vida.
Isso nos baste.

Amanhã: Encontro ARTES COMPARTILHADAS no SESC – CAMPOS

CONVITE
Encontro ARTES COMPARTILHADAS
SESC – CAMPOS
24 de Março de 2012 (sábado)

Convidamos você e os educadores de sua instituição a participar do Encontro ARTES COMPARTILHADAS sobre a exposição Menina Mulher, de Ronaldo Araujo, no dia 24 de março de 2012 (sábado), no SESC - Campos.
            O Encontro ARTES COMPARTILHADAS acontecerá das 14h às 17h, grátis, para educadores e demais interessados. Neste Encontro serão apresentadas as estratégias educativas que tomam como referência os conceitos e temas presentes na exposição. Serão exploradas as possibilidades de extensão da exposição para a sala de aula ou outras ocasiões educativas através de ações pedagógicas apoiadas no ensino contemporâneo de arte.
            Os participantes receberão material de apoio e certificado de participação.
            Informações com Vera –  (22) 8117-5398  ou  vera_plet@yahoo.com.br

Harmonia - Martha Medeiros



"No meio, a gente descobre que fazer a coisa certa é sempre um ato revolucionário.
Que é mais produtivo agir do que reagir.
Que a vida não oferece opção: ou você segue, ou você segue.
Que a pior maneira de avaliar a si mesmo é se comparando com os demais.
Que a verdadeira paz é aquela que nasce da verdade.
E que harmonizar o que pensamos,
sentimos e fazemos é um desafio que leva uma vida toda,
esse meio todo."

quinta-feira, 22 de março de 2012

Um gesto de amor



Um garoto pobre, com cerca de doze anos de idade, vestido e calçado de forma humilde, entra na loja, escolhe um sabonete comum e pede ao proprietário que embrulhe para presente.

"É para minha mãe", diz com orgulho.

O dono da loja ficou comovido diante da singeleza daquele presente. Olhou com piedade para o seu freguês e, sentindo uma grande compaixão, teve vontade de ajudá-lo.

Pensou que poderia embrulhar, junto com o sabonete comum, algum artigo mais significativo. Entretanto, ficou indeciso: ora olhava para o garoto, ora para os artigos que tinha em sua loja.

Devia ou não fazer? O coração dizia sim, a mente dizia não.

O garoto, notando a indecisão do homem, pensou que ele estivesse duvidando de sua capacidade de pagar.

Colocou a mão no bolso, retirou as moedinhas que dispunha e as colocou sobre o balcão.

O homem ficou ainda mais comovido quando viu as moedas, de valor tão insignificante. Continuava seu conflito mental. Em sua intimidade concluíra que, se o garoto pudesse, ele compraria algo bem melhor para sua mãe.

Lembrou de sua própria mãe. Fora pobre e muitas vezes, em sua infância e adolescência, também desejara presentear sua mãe. Quando conseguiu emprego, ela já havia partido para o mundo espiritual. O garoto, com aquele gesto, estava mexendo nas profundezas dos seus sentimentos.

Do outro lado do balcão, o menino começou a ficar ansioso. Alguma coisa parecia estar errada. Por que o homem não embrulhava logo o sabonete?

Ele já escolhera, pedira para embrulhar e até tinha mostrado as moedas para o pagamento. Por que a demora? Qual o problema?

No campo da emoção, dois sentimentos se entreolhavam: a compaixão do lado do homem, a desconfiança por parte do garoto.

Impaciente, ele perguntou: "moço, está faltando alguma coisa?"

"Não", respondeu o proprietário da loja. "é que de repente me lembrei de minha mãe. Ela morreu quando eu ainda era muito jovem. Sempre quis dar um presente para ela, mas, desempregado, nunca consegui comprar nada."

Na espontaneidade de seus doze anos, perguntou o menino: "nem um sabonete?"

O homem se calou. Refletiu um pouco e desistiu da idéia de melhorar o presente do garoto. Embrulhou o sabonete com o melhor papel que tinha na loja, colocou uma fita e despachou o freguês sem responder mais nada.

A sós, pôs-se a pensar. Como é que nunca pensara em dar algo pequeno e simples para sua mãe? Sempre entendera que presente tinha que ser alguma coisa significativa, tanto assim que, minutos antes, sentira piedade da singela compra e pensara em melhorar o presente adquirido.

Comovido, entendeu que naquele dia tinha recebido uma grande lição. Junto com o sabonete do menino, seguia algo muito mais importante e grandioso, o melhor de todos os presentes: o gesto de amor!

***

Invista no amor. Ele é o mais poderoso meio de tornar as pessoas felizes.

Em qualquer circunstância, em qualquer data especial para determinadas comemorações, o mais importante não é o que se dá, mas como se dá.

Todo presente deve se revestir de sentimento e não deve haver diferenças entre homenagens a uma pessoa pobre ou a uma pessoa rica.

A expressão deve ser sempre do afeto. O que se deve dar é o coração a vibrar em amor.

O valor do presente não está no quanto ele vai aumentar o conteúdo das caixas registradoras, mas sim o quanto ele somará na contabilidade do coração.


Equipe de Redação do Momento Espírita, a partir do cap. 20 do livro Novas histórias que ninguém contou, novos conselhos que ninguém deu, de autoria de Melcíades José de Brito, DPL editora.

Notícias de Alcione

Agradeço demais aos amigos que me ligam, mandam e-mails, deixam recados aqui no blog.
Mamãe já recebeu alta ontem (4 dias antes do previsto), e recupera-se na casa da irmã, em São Roque/SP. Ainda um pouco fragilizada, mas muito feliz. Agradece também às muitas orações vindas de todos os lugares.
Semana que vem, lá estarei passando uns dias com ela.
Valeu a força!!!

quinta-feira, 15 de março de 2012

Pedido de Oração



Boa tarde.


Sei que alguns de vocês já sabem que minha mãe, Alcione Peixoto, está com entupimento em 3 artérias e terá que fazer uma cirurgia em São Paulo.Outros ainda não sabem.

A cirurgia será feita amanhã no Instituto Dante Pazzanese em São Paulo e tem previsão de começar às 7 da manhã. Meu irmão Bruno está lá com ela e minhas tias estarão também.

Mas é nessas horas que me agarro aos meus amigos, os da nossa família e aos que visitam este despretensioso espaço virtual para pedir-lhes uma corrente positiva de orações e energia do bem.

E é simplesmente o que peço agora.

Falei com mamãe há pouco, e graças ao Bom Deus, ela está super alto astral e confiante. Temos recebido inúmeras manifestações de carinho e amizade. E nunca é demais agradecer.

Uma tarde produtiva e abençoada a todos!

domingo, 4 de março de 2012

Tempo



"Ainda acho cada dia muito curto para todos os pensamentos que quero ter, todas as caminhadas que quero fazer, todos os livros que quero ler e todos os amigos que quero ver."

John Burroughs

sábado, 3 de março de 2012

Calma...







"Ao seu inimigo, perdão. Ao adversário, tolerância. Ao cliente, serviço. A todos, generosidade. Às crianças, seu bom exemplo. A si próprio, respeito. Ao amigo, seu coração."
Oren Arnold