sábado, 25 de junho de 2011

Timidez




E, por fim, a minha predileta do Biquiní: Timidez.

Quanto tempo demora um mês?

Para refletir - Kafka




"Reflexões calmas, inclusive as mais calmas,
ainda são melhores do que as decisões desesperadas."

in "A Metamorfose"

Charge do dia


Charge: Chico Caruso

Quando eu te encontrar- Biquiní Cavadão

O amor como ele é - Ana Jácomo



'É fácil amar o outro na mesa de bar, quando o papo é leve, o riso é farto, e o chope é gelado.
É fácil amar o outro nas férias de verão, no churrasco de domingo, nas festas agendadas no calendário do de vez em quando.
Difícil é amar quando o outro desaba. Quando não acredita em mais nada. E entende tudo errado. E paralisa. E se vitimiza. E perde o charme. O prazo. A identidade. A coerência. O rebolado.
Difícil amar quando o outro fica cada vez mais diferente do que habitualmente ele se mostra ou mais parecido com alguém que não aceitamos que ele esteja.
Difícil é permanecer ao seu lado quando parece que todos já foram embora. Quando as cortinas se abrem e ele não vê mais ninguém na plateia. Quando o seu pedido de ajuda, verbalizado ou não, exige que a gente saia do nosso egoísmo, do nosso sossego, da nossa rigidez, do nosso faz-de-conta, para caminhar humanamente ao seu encontro.
Difícil é amar quem não está se amando.
Mas esse talvez seja, sim, o tempo em que o outro mais precisa se sentir amado. Eu não acredito na existência de botões, alavancas, recursos afins, que façam as dores mais abissais desaparecerem, nos tempos mais devastadores, por pura mágica. Mas eu acredito na fé, na vontade essencial de transformação, no gesto aliado à vontade, e, especialmente, no amor que recebemos, nas temporadas difíceis, de quem não desiste da gente.'

Intimidade- Manoel de Barros



"A gente só descobre isso depois de grande(…).
Que o tamanho das coisas há que ser medido
pela intimidade que temos com as coisas.
Há de ser como acontece com o amor”.

in 'Memórias Inventadas'

Vento Ventania- Biquini Cavadão

Como todos sabem, Bruno Gouveia, vocalista de uma das minhas bandas prediletas, o Biquiní Cavadão, perdeu seu filho Gabriel em um trágico acidente de helicóptero na Bahia. E hoje, faremos uma pequena homenagem à esta família com algumas músicas do Biquiní. Começamos com "Vento Ventania", música cantada por Bruno na missa de sétimo dia ontem, já que era uma mas prediletas de Gabriel, que sabia cantar ela de cor.




E abaixo, o poema escrito por Bruno e postado no blog "entre mim e você", criado por ele e sua ex-esposa Fernanda Kfuri, que também faleceu no acidente, para falarem do amor por Gabriel.


"PARTIDA

a morte de um filho
é uma gravidez às avessas
volta pra dentro da gente
para uma gestação eterna

aninha-se aos poucos
buscando um espaço
por isso dói o corpo
por isso, o cansaço

E como numa gestação ao contrário
a dor do parto é a da partida
de volta ao corpo pra acolhida
reviravolta na sua vida

E já começa te chutando, tirando o sono
mexendo os órgãos, lembrando o dono
que está presente, te bagunçando o pensamento
te vazando de lágrimas e disparando o coração,

A morte de um filho é essa gravidez ao contrário
mas com o tempo, vai desinchando
até se transformar numa semente de amor
e que nunca mais sairá de dentro de ti."