sábado, 12 de dezembro de 2009

Fragmento - Caio Fernando Abreu


"Mas quando desvio meu olho do teu,
dentro de mim guardo sempre teu rosto
e sei que por escolha ou fatalidade,
não importa,
estamos tão enredados que seria impossível recuar para não ir até o fim (...)"