terça-feira, 17 de abril de 2012

O segundo- Carlos Drummond de Andrade



O segundo,
não o tempo é implacável.
Tolera-se o minuto.
A hora suporta-se.
Admite-se o dia, o mês, o ano, a vida,
A possível eternidade.
Mas o segundo é implacável.
Sempre vigiando e correndo e vigiando.
De mim não se condói, não pára, não perdoa.
Avisa talvez que a morte foi adiada
Ou apressada
Por quantos segundos?

Um comentário:

Dilmar Gomes disse...

Neto, sempre é bom relembrar o grande Drumond de Andrade.
Um abraço.