quinta-feira, 13 de março de 2008

"As Alagoas do Rio"

Essa é a manchete de um texto publicado hoje pelo brilhante jornalista Ancelmo Góis, do jornal " Globo". Junto com o texto uma foto dos presos entrando no avião da Polícia Federal. Pela leitura exata de nossa triste situação, o reproduzo aqui na íntegra:
" O querido município de Campos dos Goytacazes é uma terra de contrastes. O filho da terra José do patrocínio, o "Tigre da Abolição", foi uma das vozes mais lúcidas da história brasileira contra a escravidão. Mas Campos foi também uma das últimas cidades brasileiras a aderir à Abolição.
Agora, a cidade está nas manchetes por causa da ação da Polícia Federal, que prendeu uma parte da elite política local, acusada de roubar o meu, o seu, o nosso dinheiro.
Outro contraste: o município teve um aumento real de receita, a partir de 1997, em torno de 600%, devido ao forte crescimento dos royalties do petróleo. No período, recebeu uns 3 bilhões da Petrobrás. "Apesar disso", constata o economista Mauro Osório, professor da UFRJ, "Campos apresentou o pior resultado entre os municípios fluminenses, de acordo com a última avaliação do ensino fundamental feita pelo MEC (1ª a 4ª séries)". E mais: segundo Osório, enquanto o país e o Estado do Rio tiveram, em 2007, recordes de crescimento de emprego com carteira assinada, o município de Campos apresentou uma diminuição de 2.590 empregos.
Além de políticos amigos do alheio- não são todos-, a indústria de cana tem sido, muitas vezes, fator de atraso. é como disse outro dia o ministro Fernando Haddad, em conversa com o supercoleguinha Jorge Bastos Moreno, sobre os baixos indicadores educacionais de Alagoas: "Onde tem cana não tem ensino."

O que dizer????