segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Filme sobre Bezerra de Menezes continua bem visto!



Glauber Filho anda rindo à toa. O professor do curso de comunicação na Universidade Federal do Ceará é um dos co-diretores (com Joe Pimentel) do filme Bezerra de Menezes, que estreou na semana retrasada sem muita mídia. O filme bateu, no primeiro fim de semana, filmes que tiveram mais destaque na imprensa, como "A Encarnação do Demônio", de José Mojica Marins, e "Os Desafinados", de Walter Lima Jr. Com 1.200 espectadores por cópia, fez 50 mil espectadores de sexta a domingo. Manteve alta média durante a semana e a conseqüência é que as 44 salas que exibiam Bezerra viraram 52, incluindo, o Shopping Eldorado, em São Paulo.O filme nasceu de uma encomenda feita aos diretores pela Associação Estação da Luz, do Ceará. A idéia inicial era fazer um documentário para distribuição em DVD, com custo aproximado de R$ 100 mil. O projeto cresceu, principalmente depois de ser testado junto aos participantes de um congresso de espiritismo na Colômbia. Glauber Filho não se define como espírita, mas não contesta o dogma da doutrina de Allan Kardec e Bezerra de Menezes. Ele acha que não fez um filme somente para esse segmento do público, embora o tivesse como alvo.Carlos Vereza, que faz o papel de Bezerra de Menezes, é espírita. A maneira como o ator diz seu texto, pesquisado nos escritos do ''dr. dos pobres'', causa estranhamento. É como se Vereza dissesse suas falas de maneira truncada. "Quem já freqüentou uma sessão espírita e viu um médium encarnar o dr. Bezerra sabe que ele falava assim", diz o diretor.

Como sou espírita e ouço falar em Dr. Bezerra desde a minha infância, espero que o filme chegue logo em nossa cidade. Assim como também espero a chegada de "Os desafinados".