segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Baixou o nível da campanha....no Rio

Os últimos dias me fizeram refletir. Com os dois candidatos que sobraram aqui, acho que não vale a pena ficar comentando muitas coisas. Os ânimos estão bem acirrados, e o temor que a coisa saia do controle é cada vez maior. Algumas pessoas que não tem nome, os famosos "anônimos" estão um pouco nervosos. Portanto, vou falar mais de uma candidatura que me enche os olhos. A de Fernando Gabeira, candidato a prefeito do Rio.
Hoje mais uma vez vi seu programa eleitoral pela TV e me emocionei. E mais uma vez fico triste por não votar no Rio. Como sei que amigos de lá visitam este blog, quero lamentar que o segundo turno tenha começado da pior maneira possível. Se Gabeira já fora vítima de panfletos apócrifos e muitos boatos no primeiro turno, a situação já é bem mais grave agora. No sábado houve uma agressão de peemedebistas a um militante do PV. Manifestações preconceituosas se espalham pela cidade. E hoje, os blogs dos jornalistas Ricardo Noblat e Lucia Hippólito divulgaram mais um fato grave. Trata-se de um e-mail enviado para a Rádio CBN, por um eleitor de Gabeira, que logicamente foi preservado e não teve seu nome revelado:

" Baixaria à vista no horizonte do 2º turno do Rio.
Se minhas convicções políticas me deixam pouco à vontade para votar em Gabeira, sua trajetória política o credencia sim, a receber meu voto. Sempre votei na esquerda (conceito antigo), e pretendo continuar assim. Ocorre que, como tantos outros eleitores do PT, eu decidi votar em Gabeira, e gostaria de relatar fatos que, independentemente da visão política de cada um, não colaboram em nada para o bom debate sobre as melhores propostas para a nossa cidade. Moro no Méier, e fiquei estarrecido ao ver ontem, na área de lazer que fica na principal rua do bairro, um carro de som do vereador reeleito, Sebastião Ferraz (S. Ferraz), com faixas alusivas ao orgulho de ser suburbano. Espalhados no meio do povo, cabos eleitorais (alguns mais que embriagados), vestiam camisas com as cores do PMDB, e a frase que pedia respeito ao subúrbio. Nos bares, outros cabos, bebiam e discutiam política (????), ofendendo o Deputado Gabeira no famoso binômio “sexualidade e posição em relação à maconha”. Estão colocando maconha, cocaína, crack no mesmo saco. No Maracanã, fui ver a lamentável atuação do meu time diante do Atlético, e o chão do entorno do estádio estava repleto de panfletos apócrifos na cor vermelha (pra colar no PT) e o logotipo do O GLOBO (pra tentar dar um caráter oficial) com a frase (infeliz, convenhamos) de Gabeira sobre a vereadora Lucinha.
Entre os distribuidores dos panfletos, Marcelo Tijollo, candidato derrotado à Câmara de Vereadores, integrante de uma violenta torcida organizada do Flamengo e filiado ao PT do B, mesmo partido de Carminha Jerominho, que dispensa comentários. Pela lógica, Carminha Jerominho apóia Eduardo Paes. Qual o desfecho disso? Como Paes é apoiado por Lula, também deve desconhecer tudo.... Por que a imprensa não divulga episódios como esses? Sinceramente, para quem quer inaugurar um novo ciclo para a nossa cidade, Paes utiliza métodos arcaicos e ultrapassados, que podem acabar virando contra sua própria candidatura. Por favor, mais do que ao cargo de Prefeito, lutemos por uma campanha de alto nível. O Rio merece. A propósito. Na minha opinião, Gabeira sentiu o golpe. Sua atuação no debate não foi boa. Perdoe-me a pretensão de querer analisar algo. Sou apenas um eleitor indignado, além de um ouvinte e leitor assíduo
".

Eis o comentário de Lucia Hippólito:
"Que tal?
A patrulha da lama, presente em todas as eleições, entrou firme no segundo turno do Rio de Janeiro. Como também em São Paulo, aliás.
Papelão! Se o candidato Eduardo Paes continuar fazendo cara de paisagem e fingindo que não tem nada a ver com esta lama, pode até vencer a eleição, mas entrará para a Prefeitura do Rio pela porta dos fundos.
Pena, porque é tão moço. E já ligado ao que há de mais arcaico, corrompido e carcomido nas práticas políticas. Indigno de um político do século XXI.
Indigno do Rio de Janeiro. A cidade merecia uma campanha com mais grandeza."

3 comentários:

Anônimo disse...

O Rio de Gabeira!!!
Gabeira!!!!!!!!!!!!!!
Gabeira!!!!!!!!!!!!!!!!

Obrigado por divulgar este fato!!!
Gabeira sofre uma campanha degradante, mas já esperávamos. De qq forma, a onda Gabeira continua crescendo!!!!E dia 26 vamos levar essa!!!!
Um abraço de um carioca que ama o Rio!!!!!

Anônimo disse...

É Gabeira!!!!!
Não deixaremos que o preconceito e o retrocesso saiam novamente vencedores!!!! Moro em Niterói, mas faço campanha para Gabeira com muito orgulho. Como tenho familiares em Campos, sempre dou uma olhada nos blogs daí. O seu me chamou atenção pelo nome, já que tb sou fã de Cazuza!!!
E pelos candidatos que tem aí, é melhor mesmo embarcar na onda Gabeira!!!!!rsrsrsr
Um abraço

Tiago- Niterói

Verônica disse...

é Neto, não é mole viver em Campos mesmo....meu voto será útil no segundo turno...ou inútil, sei lá....
Mas Garotinho não rola!!!
Motivações não me faltam:
Razões pelas quais não voto em Rosinha (Garotinho):

1- Renegou o nome do marido, recorrendo à própria justiça, pela alta rejeição dos campistas a este nome. E ele aceitou pacificamente.

2- Seu tesoureiro de campanha e chefe da fiscalização de seu governo, Rodrigo Silveirinha, foi preso e condenado a 15 anos em regime fechado por ter enviado para Suíça R$ 30 milhões (data 31-10-03 Jornal Nacional).

3- Presos o ex-secretário de saúde e a sub-secretária, campista por sinal, bem como o ex-secretário de trabalho do governo, mais 12 pessoas acusados de desvio de R$ 70 milhões da saúde do governo Rosinha (data l5-07-08 Jornal o Globo e Extra).

4- Foram apreendidos na sede do PMDB em Campos, R$ 3l8,470,00 e Garotinho
estava presente (data 29-10-04).

5- Em solidariedade aos colegas professores que foram espancados pela polícia de Rosinha quando estavam lutando pela nossa categoria. (Vide anexo 2 abaixo ).

6- E também pela maior traição cometida por este casal a um dos maiores líderes políticos desse país, LEONEL DE MOURA BRIZOLA, que os tinha tirado do ostracismo.



7- E ainda porque tomei conhecimento da perseguição de Garotinho e dela, Rosinha, ao Colégio Laura de Vicunha, no afã de fechá-lo. Observei nítida questão religiosa nisso, pois eles são evangélicos, e o que é pior, isso se consolidou para mim em perseguição.